Feeds:
Posts
Comentários

A BOLA DA VEZ

O Villa Nova já foi bola cheia um dia, mas infelizmente vive momentos de bola murcha, sacrificado pelas péssimas administrações dos últimos tempos, onde um monte de “bolas fora” tiveram a capacidade de acabar com o maior patrimônio dos nova-limenses.

A muitos anos que as bolas alvirrubras vem passando longe das vitórias e das conquistas, conseqüência de verdadeiros aventureiros que se consideram entendedores de futebol, mas que na verdade não conseguiram levantar a bola da entidade centenária, desperdiçando todas as oportunidades de elevar o clube no cenário futebolístico regional e nacional. Para piorar a situação, erraram feio na parte administrativa, levando o clube a um caos financeiro que poderá culminar com falência total, daquele que um dia foi o maior patrimônio dessa cidade e que sempre encheu de orgulho os seus habitantes. A intromissão política no comando villanovense vem destruindo a passos largos um clube que ficou conhecido em todo o Brasil, por suas façanhas de equilibrar forças com os maiores times do país, passando hoje em dia o vexame de fazer parte do noticiário negativo das edições esportivas nos veículos de comunicação.

As bolas erradas desses incompetentes passam pelas ligações de interesses pessoais que cada um deles tem em seus mandatos, abrindo as portas para “empresários espertalhões” que introduzem no clube treinadores sem qualificação e jogadores de baixa qualidade técnica, fazendo os torcedores sofrerem com bolas furadas como Osmar Guarneri, Mauro Madureira, Alexandre Gallo, Flávio Lopes e Vagner Oliveira no cargo de técnicos e de jogadores como Terceirinho, Tucho, Romeu, Zulú, Magrão Compadre Waxington e Anderson Lobão, encerrando a lista por aqui para não obrigar os villanovenses a enfrentar um balão de oxigênio para não enfartar.

A bola fora do momento está  também na decoração da prefeitura e do teatro municipal, ornamentados com iluminação em forma de bolas que descaracterizaram a mensagem natalina dessa época do ano, e antes que digam que eu não entendo nada desta área, informo que pesquisei sobre o assunto junto á população, obtendo resultado de mais de oitenta por cento de reprovação sobre a decoração.

Faltando pouco tempo para o início do Campeonato Mineiro, ainda continuamos ver uma bola sem rumo pelos lados do Bonfim, com certeza porque devem estar disputando quem será a bola da vez.

Saudações alvirrubras, o abraço da semana vai para os insubstituíveis Sonia e Zezé, e até a próxima se Deus quiser.

Parece que o Villa tem doce, que é de mel, e quando os interesseiros falam que é uma tarefa difícil dirigir o clube, estão sendo mentirosos e incoerentes, pois, todos eles sempre querem voltar ao comando da entidade centenária.

O Villa Nova é uma moeda de troca para políticos e seus comparsas, sempre usado para abrigar amigos, para pagar favores ou até  mesmo para barganhar uma vantagem lá  na frente, como por exemplo servir de trampolim para possíveis candidaturas a cargos públicos. É também um ótima oportunidade para aqueles que sonham alto, usando a experiência adquirida por aqui para tentarem depois a sorte em clubes de maior porte ou se tornarem empresários de jogadores e treinadores.

Incrível como eles tentam manipular a opinião pública apontando sempre as dificuldades ao mesmo tempo que se vangloriam por atitudes positivas, esquecendo que isso é obrigação para quem esteve no cargo e que deveria ser a tônica de um bom dirigente, ou pelo menos de dirigentes que tivessem um real compromisso com o clube alvirrubro. Alguns deles chegam a pensar que são Deuses , enquanto outros tem a certeza que são. O mais agravante é que deixam o clube em situação difícil e depois ficam negociando uma possível volta, achando que a torcida é burra, que já terá esquecido as lambanças que fizeram no passado.

É bom que os villanovenses se preparem para ter que engolir de novo dirigentes arrogantes e com passado derrotista, porque estão armando nos bastidores o retorno de quem saiu sem deixar saudades, na verdade será a volta de quem na verdade nunca foi.

Saudações alvirrubras, um abraço para o amigo villanovense Henrique Lobão, e até a próxima se Deus quiser.

TEMPO DE RECICLAR

O final da Taça Minas Gerais com o vice-campeonato da competição, encerrou o ano de 2009 no futebol para o Villa Nova.

Um ano que não deixará saudades para os villanovenses, obrigados a suportar mais uma temporada de incertezas e de insegurança, marcado pelos desacertos de seus dirigentes. Um primeiro semestre desastroso que foi manchado com o quase rebaixamento da equipe no Campeonato Mineiro, obrigando a torcida a engolir um time “medíocre” comandado por treinadores com pouca qualificação para o cargo, com a fila da incompetência sendo puxada por Vagner Oliveira, conhecido como “O Rei do rebaixamento” e seguida pelos desatualizados Brandãozinho e Humberto Ramos, esse último com o absurdo de ter sido contratado por ser amigo de um vice-presidente da época, como se isso fosse um fato relevante para o clube.

No segundo semestre a situação foi um pouco melhor, quando os alvirrubros viram um quadro menos assustador, mas ainda assim muito longe das tradições da entidade centenária. Foi um ano de muita turbulência interna, com renúncia de uma diretoria, eleição de outra e a esperança de um novo tempo, mas que acabou não acontecendo, diante das intermináveis disputas de poder e de vaidades.

Se esta guerra de interesses continuar imperando pelos lados do Bonfim, o Villa poderá amargar uma derrocada no próximo ano, que certamente o levará a extinção, como aconteceu com outros clubes do interior de Minas.

Faltando ainda mais de sessenta dias para o início do Campeonato Mineiro, será preciso que dirigentes e mandatários se unam em prool do Villa Nova, deixando de lado os interesses pessoais, buscando sair da mesmice e inovando pra valer, começando por uma limpeza geral na folha de pagamento, onde muitos que não fazem nada acabam por prejudicar os outros que ficam sem receber o que lhes é de direito.

É hora de por fim a farra dos “Come-quietos” sem a preocupação de quem eles possam ser apadrinhados. Ao invés de ficarem medindo forças para provar alguma coisa, os mandatários devem aproveitar esse período de férias para reciclar o Villa Nova, objetivando um clube realmente profissional para 2010.

O abraço especial da semana vai para a vestibulana Marcela Maria, primeiro lugar em jornalismo na Uni-BH e primeiríssimo lugar também no concurso de contos Lítero-musical promovido pelo Sebrae-MG, evento que premiou também as alunas Débora Guedes e Jéssica Araújo. Parabéns as meninas que premiaram Nova Lima com inteligência e dedicação. Saudações alvirrubras e até a próxima se Deus quiser.

img_11112009b

TEMOS QUE ACREDITAR

danielblog

Célebres torcedores alvirrubros,

Domingo o Leão conseguiu um resultado pra gente se lembrar sempre. Tomamos de quatro a dois em casa na final da Taça Minas Gerais e agora temos que reverter o placar em pelo menos três gols de diferença.

Digo que temos que lembrar sempre este resultado, porque estou confiante que o Villa vá reverter este quadro e este momento irá pra história. Apesar de todos estes incovenientes que temos pela frente, de não termos a vantagem de jogar a finalíssima em casa e também não ter a regalia de jogar por dois resultados iguais, será uma batalha árdua lá no Triângulo.

Conforme o técnico Moacir disse na coletiva, logo após o jogo, os problemas do time na reta final culminou no placar adverso aqui em Nova Lima. Somente na zaga, o time estava sem o capitão Carciano e o Weldes, que sofreu contusão no joelho esquerdo. Além do Fernando, que sofreu uma perda grande com o falecimento do seu pai, na semana anterior, mesmo assim foi guerreiro o suficiente para jogar a primeira partida da final. O treinador improvisou o lateral Osvaldir, que também já atuou neste campeonato, como volante e muito bem. É o nosso “Marquinhos Paraná”.

No ataque tivemos a ausência do velocista Allan, que fez muita falta, apesar do Ely Thadeu, seu substituto imediato, ter feito uma excelente partida. O centroavante Eraldo, artilheiro da Taça MG, também não jogou 100%. Ele vem jogando no sacrifício desde o primeiro jogo contra o Uberlândia, quando sofreu uma torção no tornozelo esquerdo.

euacredito10Todos estes problemas acarretaram no resultado negativo. No entanto percebi, logo depois do jogo, lá no vestiário, um clima de “ainda podemos conquistar este campeonato”. Os jogadores estavam muito abatidos e tristes, mas fizeram um momento de silêncio e depois foram guerreiros mostrando que ainda não acabou, que falta mais noventa minutos.

Eu confio nos jogadores e no Moacir Júnior. Estou acreditando, pelo trabalho e dedicação de quem realmente trabalhou para chegar à final, deixando pra trás clubes que estavam mais preparados, como é o caso do Tupi e Uberlândia, que vinham com um elenco já pronto desde o final do Campeonato Mineiro. O Villa foi montado a menos de 20 dias da Taça Minas Gerais e o técnico e sua comissão merecem respeito e elogios.

PÉ NA COPA

zeraimundo_2008

O Villa Nova chega a decisão da Taça Minas Gerais pela terceira vez e vai em busca do Tri-campeonato para se garantir na Copa do Brasil do ano que vem.

Vencedor das outras duas finais, na primeira contra o América no Mineirão em 1977 e na segunda a três anos atrás no Castor Cifuentes quando levantou o caneco superando o Uberaba, o mesmo adversário de agora, em uma lembrança boa para a torcida villanovense.

Mesmo derrotado no último jogo em Uberlândia, o quadro alvirrubro conquistou a chance de disputar a final por ter feito o resultado em casa, situação que poderá se repetir nos confrontos de agora contra o Zebú. Se o Leão fizer a diferença em seu campo como fez na semi-final, vai entrar no Uberabão na próxima semana com um pé na Copa do Brasil, objetivo maior de ganhar a Taça Minas Gerais, além da alegria de ser mais uma vez campeão.Muita gente queria o primeiro jogo fora para decidir depois em Nova Lima e o presidente Adão Gomes fez de tudo para impor essa idéia, mas a FMF decidiu o contrário e batalha terá inicio aqui na terra do ouro no próximo domingo.

Particularmente sou um defensor dessa fórmula, considerando que uma boa vitória no primeiro jogo garante o favoritismo na partida de volta, situação que vem se consolidando nas decisões do futebol ultimamente. O apoio e o incentivo da torcida villanovense será fundamental e se a equipe impor sua soberania em seus domínios, certamente entrará para a história como o time Tri-campeão da Taça Minas.

Após o jogo de domingo se sair do estádio feliz com uma vitória convincente, estarei formando uma excursão para a final no triangulo saindo no sábado com direito a passeio em Araxá, hospedagem em Uberaba acompanhada de rodízio e viagem em ônibus especial.

Falta pouco, tá chegando a hora, é só  ganhar e botar o “Pé na Copa”.

Saudações alvirrubras, um abraço para o villanovense Palhinha motorista, e até  a próxima se Deus quiser.

O MOMENTO É AGORA!

danielblog

Célebres torcedores alvirrubros,

Não é que o nosso querido Leão do Bonfim chegou novamente à final da Taça Minas Gerais? Pois é, de um quase rebaixamento no Mineiro, com uma campanha pífia, o time agora pode dar à terceira maior de Minas, mais um título estadual.

Nos últimos anos, mesmo com tanta tristeza, com diversos problemas administrativos, processos judiciais, jogadores e técnicos desrespeitando a camisa e a tradição do Villa Nova, o nosso maior patrimônio, nossa torcida, ainda assim estava sempre apoiando. Agora as coisas estão um pouco diferentes. Ainda não está as mil maravilhas, pois o clube continua com alguns problemas administrativos, com ainda mais processos na justiça trabalhista, mas em campo temos um excelente time, que impõe respeito dentro de casa e também tem comando dentro de campo. É isso, que hoje está fazendo a diferença.

Mas, é uma pena ver de fora das quatro linhas, o Alçapão vazio. Todo mundo tem direito de reclamar, de ficar insatisfeito com a gestão de fulano ou ciclano. Mas, o Villa Nova é maior que todo mundo. É maior que qualquer dirigente, jogador ou treinador. E, agora que o time está bem dentro de campo, como não víamos há anos, e no momento que a equipe mais está precisando da sua torcida, a maioria abandonou o time. A média de público do Leão na Taça Minas Gerais está uma vergonha.

Veja na tabela abaixo, as médias de cada equipe na competição. Não é pra desrespeitar nenhum clube, mas ficar em quarto lugar, atrás até mesmo do Funorte, um clube que tem menos de três anos de vida, não pode acontecer. Não estamos nem entre os 10 maiores públicos do torneio. Somos um clube centenário, o Leão do Bonfim tem mais de 100 anos e não é por desconfiança dos gestores passados ou presentes, que a torcida tem que deixar de ir a campo. Quem está jogando, não conhece dirigente, simplesmente quer ter o torcedor do seu lado.

campanha3Daqui a 12 dias poderemos gritar novamente é campeão. E aí, ninguém vai se lembrar de diretorias, mas sim de que o VILLA é CAMPEÃO. Vamos apoiar e incentivar os jogadores, que estão sendo uns guerreiros dentro de campo e também a comissão técnica, que vem trabalhando no sufoco, mas com muito empenho e dedicação.

Vamos lá, o MOMENTO É AGORA!

Nome Média Máximo Mínimo Jogos
182_15Uberlândia 1928 2485 1178 4
336_15Uberaba 1113 1774 353 4
373_15Funorte 863 2038 325 4
163_15Villa Nova-MG 566 670 458 5
159_15Ituiutaba 545 1131 101 3
294_15Tupi-MG 468 1001 168 5
Valeriodoce-mg_15Valeriodoce 306 508 145 4
125_15América-MG 198 401 77 4
358_15Poços de Caldas 171 358 27 3

Áou Leão.